Concurso Comunicação de ciência em microbiologia, Dia Internacional do Microrganismo

Divulgação de ciência: “Porque é que eu tenho sintomas indesejados e tu não?”

Recordamos hoje outra das menções honrosas do primeiro concurso de comunicação em microbiologia.

Por Cátia F. Gonçalves e Sofia S. Oliveira: Sabia que os microrganismos que vivem no seu corpo podem interferir no processamento dos medicamentos que toma e causar-lhe efeitos secundários?

 

Legenda: “Na bula de cada medicamento existe uma lista de efeitos secundários que podem surgir após a sua toma. Alguns destes efeitos são raros, afetando apenas um em cada 10 000 indivíduos. Outros são bem mais comuns, aparecendo em uma em cada 10 pessoas. Mas, porque é que uma percentagem da população é afetada e outra não? Parte da resposta reside na nossa microbiota: o conjunto de organismos microscópicos que vivem habitualmente no corpo humano. Cada indivíduo serve de hospedeiro a milhões de microrganismos, que se distribuem sobretudo pela sua pele, nariz, boca, sistema digestivo e vagina. Diferentes pessoas possuem diferentes espécies de microrganismos e em diferentes quantidades. Basicamente, a nossa microbiota é como uma impressão digital: não existem duas iguais! Algumas espécies de microrganismos que se encontram no nosso intestino têm uma característica especial: a capacidade de interferir com o processamento dos medicamentos que tomámos. Dependendo das espécies e do fármaco em questão, isto pode causar a diminuição da eficácia do medicamento ou pode torná-lo mais tóxico para o nosso organismo. Isto pode levar ao surgimento de efeitos secundários, sendo que os indivíduos que têm mais microrganismos com esta capacidade estão sujeitos a desenvolver sintomas mais intensos. Por exemplo, alguns microrganismos são capazes de interagir com o irinotecano, medicamento utilizado no tratamento do cancro do cólon, levando ao aparecimento de efeitos secundários como a diarreia severa. Mas, a composição da nossa microbiota não é o único fator que influencia o aparecimento de reações adversas. A nutrição, os genes e a idade de alguém são outras das razões que explicam a ocorrência destes efeitos. Da próxima vez que ingerir um medicamento e sentir sintomas indesejados, já sabe: a culpa pode ser dos seus “micro-inquilinos”!”

 

Menção Honrosa (categoria Público em Geral) da 1º Edição do Concurso “Comunicação de ciência em microbiologia.

Autores: Cátia F. Gonçalves (Wellcome Trust Centre for Cell Matrix Research, Universidade de Manchester, Reino Unido) e Sofia S. Oliveira (CIIMAR – Universidade do Porto)